• Agora Cronico Eu

    “Einstein on the Beach” Philip Glass, Robert Wilson, Lucinda Childs e Christopher Knowles

    Há uns dias o Paulo, o bookstagrammer PJV – diário de um leitor, estava a ouvir Philip Glass e isso transportou-me imediatamente para “Einstein on the Beach”, uma ópera que Glass compôs para ser encenada por Robert Wilson. Glass é o autor da maravilhosa banda sonora do filme “As Horas”. Pese embora a sua música nos embale numa doce melodia, ela tem sempre um toque que nos faz torcer o corpo de estranheza. “Einstein on the Beach” eleva essa estranheza aos píncaros do electrizante. Não é uma ópera fácil de se ouvir principalmente para quem tem em si noções muito pré-estabelecidas do conceito standard de “ópera”. Não escolhi o adjectivo…

  • Agora Cronico Eu

    Diários de uma POC Cartesiana

    Quando comecei a minha psico-terapia, em Junho de 2018, decidi documentar o processo em forma de diário escrito. Em Outubro de 2019 tive aquela que seria a minha última consulta e, nesse momento, o diário fechou-se também. Foi um ano e meio de entradas metódicas e, quase, diárias. Umas curtas e outras bem longas. Toda uma descoberta de uma nova pessoa e o seu crescimento assente em folhas de papel. Para quem sofre de uma doença do foro psiquiátrico o descanso é CRUCIAL! Quando digo que estou cansada é normal que relativizem o cansaço: “Ó filha, estamos todos!”, mas a verdade é que eu canso-me muito mais do que uma…

  • A Veia da Minha Bílis,  Agora Cronico Eu

    _ Porque é que alguns povos constroem casas redondas?

    Durante as últimas semanas tenho visto passear por aqui o livro: “Como ler literatura” de Terry Eagleton por isso decidi ir em busca. Como tenho a mania que gosto de ler na língua original, acabei como acaba toda a gente no supermercado sem a lista de compras: trouxe o que não contava e deixei o que procurava. Parou tudo porque Eagleton escreveu um livro sobre humor e eu não podia deixar de o ler! Em Julho passado decidi dedicar a Silly Season à leitura de humor e a verdade é que nunca mais parei. Biografias, romances, contos, guiões ou colectâneas de sketchs, horas de stand-up (obrigada Deus Netflix!), crónicas e…