Agora Cronico Eu

Todos os anos que te escrevo, parece que não estás cá!

dizes que és para todos, no entanto és-me mais impermeável que o maior guarda-chuva. guarda-vento. guarda-tenda. cata-vento. pára-brisas. pára-raios. raios te partam.

clamas que seres é uma questão e por isso exiges que seja eu a responder por ti. não quero. cansei. sofri. chorei. pesei. também ri. despi. desnudei. senti. mas a que custo?

achas que está sempre tudo bem. não há certo nem errado, mas minas-me a cabeça de egocentrismo. vão gostar? vão odiar. vão perceber? isso não se ouve lá de trás. porque é que me preocupa o que as outras pessoas pensam? quero tanto que gostem de mim.

é o texto? é a cena? o ovo ou a galinha? a verdade ou a imitação? o método ou o deixar-se ir? sigo à risca ou sigo-me a mim?

vim por este caminho mas decidi virar à esquerda, como sou disléxica não sei em que direcção virei e agora estou perdida. olho em volta e não vejo nada, está tudo escuro, talvez esteja dentro de uma caixa negra. um palco montado num palco. a quarta parede que se foda – que discurso tão velho este… se há projectores montados na teia, alguém se esqueceu de pagar ao técnico para os operar. se os lugares estão vazios é porque alguém os mandou ficar em casa. se estou sozinha em palco, é porque já não há dinheiro que pague grandes festas. e quem me encena, agora que o encenador está ocupado a tentar vender um espectáculo que, sem equipa, já se sabe que não vai a lado nenhum. e que sem compradores, não tem dinheiro para ter equipa? é o ovo ou a galinha? pára-brisas. pára-raios. raios te partam.

im-per-me-á-vel. im-pe-ne-trá-vel. im-per-fei-ção. im-per-ti-nen-te. im-pa-ci-en-te. im-pos-si-bi-li-da-de. im-pra-ti-ca-bi-li-da-de. im-ca-pa-ci-da-de. in-su-por-tá-vel. im-pró-pri-o. im-pos-tor. in-vi-sí-vel. há que treinar a dicção das palavras mais im-por-tan-tes.

Olha para mim. Olha! Olha para mim agora, e para a vida para onde me atiraste! eu atiro, tu atiras, ela atira, ele atira, nós atiramos, eles atiram, vós atireis, vossa senhoria, atireis tão alto que nada escapará à vossa lança. Vós lançareis. Lançareis facas e gumes. Vozes, música, vídeo, luzes, pirotecnia. espectáculo. artifício! muito artifício. e escavareis. escavareis no mais fundo de si e no mais fundo de nós. martelos pneumáticos, picaretas, ancinhos e pás. Paz à sua alma.

dentro desta caixa preta, ainda não descobri em que parte me encontro, se no palco ou na plateia. ovo ou galinha. não há quarta parede, dizes tu. dizem eles por ti, mas ambos sabemos que isso não é verdade. ou não é verdade para todos. ver-da-de. von-ta-de. vin-gan-ça. ves-per-ti-no. vi-tó-ri-a. ver-de. ver-me-lho. ve-lu-do. cor-ti-na. FOGO! nunca se grita fogo num teatro!

 

Se o teatro te interessa, tenho uma lista de sugestões que podes consultar aqui.

Estas são outras cartas que escrevi ao teatro:

Dia do Tim/atro

Hoje decidi que não gosto mais do Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.