Agora Cronico Eu

  • Agora Cronico Eu

    Os Portugueses não podem ver nada

    Os Portugueses não podem ver nada   Assim que a DGS leu a minha crónica de há uns dias sobre a Máquina do Tempo que os americanos estão a tentar desenvolver para fazer a maioria dos seus estados regressar ao passado, Gracinha, cheia do broche que em si há sempre ao peito, chamou o António Costa ao seu gabinete: _ Toninho… tu que não te cansas de apregoar que queres estar sempre na linha da frente, não achas bem c’agente vá lá à América pedir uma máquina destas? _ Mas Gracinha, nós já estamos na linha da frente a nível de casos de infecção de Covid. _ Ai filho, isso…

  • Agora Cronico Eu

    A Máquina do Tempo Americana

    A Máquina do Tempo Americana (para facilitar, e embora seja geograficamente errado, apelidarei os Estados Unidos da América de “América” e os seus habitantes de “americanos”)   A ínfima parte do mundo que vibra com ficção-científica sonha com a descoberta da fórmula do seu maior ex-líbris, do seu Santo Graal: a Máquina do Tempo! Ao que parece essa porção de terráqueos pode mesmo começar a ficar em pulgas porque os americanos, que muitos nós nos habituámos a olhar como povo dado a uma estupidez acima da média, parecem estar cada vez mais perto de conseguir realizar a proeza de viajar no tempo. “Engulam Soviéticos, querem andar a brincar às guerrazinhas…

  • Agora Cronico Eu,  O Comboio de Karenina

    Como a POC mudou a minha vida

    Desde que o meu psiquiatra conheceu aquela que é a sua paciente favorita, que a vida dele nunca mais foi a mesma. Curiosamente a minha também não.   Quando em Janeiro de 2018 entrei no seu gabinete em Carnaxide, apenas consegui balbuciar entre soluços coisas que fazia para garantir a integridade da minha vida e da dos que me rodeavam; como é que era possível ir lavar as mãos sem lavar as torneiras depois de as fechar, visto que tinha as mãos sujas quando as abri? E, claro… depois de lavar as torneiras sujas, as mãos precisam ser lavadas novamente, mas depois voltávamos ao dilema das torneiras sujas. Era  impossível…