• Lusófonos,  Opinião

    “Mizé – Antes galdéria do que normal e remediada” de Ricardo Adolfo

    Ricardo Adolfo é um escritor português nascido em Angola que vive em Tóquio e “Mizé – Antes Galdéria do que Normal e Remediada”, escrito em 2006 foi traduzido para espanhol, alemão e holandês, editado primeiramente pela D. Quixote, em 2010 pela Alfaguara e em 2021 pela Companhia das Letras.   2003 “Os Chouriços São Todos para Assar” 2009 “Depois de Morrer Aconteceram-me Muitas Coisas” 2014 “Maria dos Canos Serrados” valeu-lhe a nomeação como uma das Caras do Futuro da literatura portuguesa pelo escritor António Lobo Antunes para a edição especial do 20.º aniversário da revista Visão. 2015 – “Tóquio Vive Longe da Terra” explora as particularidades diárias e as excentricidades…

  • Lusófonos,  Opinião

    “À espera de Moby Dick” de Nuno Amado

    Enseada Pequena reentrância no traçado da linha de costa, em forma de arco, aberta ao mar, sendo normalmente limitada por dois promontórios. O termo deriva da palavra seio, em latim sinus que se refere a curva, ou dobra, à qual foi adicionado o prefixo in: in seius, enseada. Nuno Amado é licenciado em Psicologia Social e das Organizações e Psicologia Clínica e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento. Exerce psicologia clínica e é professor no Instituto Superior de Educação e Ciências. Destaca-se em Portugal por ser pioneiro no estudo da Psicologia do Amor. “À Espera de Moby Dick” é o seu terceiro livro. Muitos de nós temos uma “baleia branca” e,…

  • Lusófonos,  Opinião

    “Canário” de Rodrigo Guedes de Carvalho

    “Canário” é o quarto livro que leio do jornalista e escritor português Rodrigo Guedes de Carvalho e, não me canso de dizer o quanto não consigo associar as duas figuras numa só. Por vezes dou comigo a vê-lo na televisão enquanto revejo mentalmente as leituras, e a duvidar que jornalista e autor sejam, de facto, a mesma pessoa. Sendo o quarto livro, o terceiro do qual faço apresentação, pouco me resta dizer sobre a sua escrita que não tenha referido já nos livros “A Casa Quieta” e “Daqui a Nada”, talvez que este seja um pouco mais “ordeiro” em relação à construção – uma das coisas que mais gosto em…