• Agora Cronico Eu

    Os Portugueses não podem ver nada

    Os Portugueses não podem ver nada   Assim que a DGS leu a minha crónica de há uns dias sobre a Máquina do Tempo que os americanos estão a tentar desenvolver para fazer a maioria dos seus estados regressar ao passado, Gracinha, cheia do broche que em si há sempre ao peito, chamou o António Costa ao seu gabinete: _ Toninho… tu que não te cansas de apregoar que queres estar sempre na linha da frente, não achas bem c’agente vá lá à América pedir uma máquina destas? _ Mas Gracinha, nós já estamos na linha da frente a nível de casos de infecção de Covid. _ Ai filho, isso…

  • Agora Cronico Eu

    A Máquina do Tempo Americana

    A Máquina do Tempo Americana (para facilitar, e embora seja geograficamente errado, apelidarei os Estados Unidos da América de “América” e os seus habitantes de “americanos”)   A ínfima parte do mundo que vibra com ficção-científica sonha com a descoberta da fórmula do seu maior ex-líbris, do seu Santo Graal: a Máquina do Tempo! Ao que parece essa porção de terráqueos pode mesmo começar a ficar em pulgas porque os americanos, que muitos nós nos habituámos a olhar como povo dado a uma estupidez acima da média, parecem estar cada vez mais perto de conseguir realizar a proeza de viajar no tempo. “Engulam Soviéticos, querem andar a brincar às guerrazinhas…

  • Agora Cronico Eu

    Relações conceptuais – do romance púbere à arte contemporânea

    CRÓNICA EXCLUSIVA:   Felizmente não tenho adolescentes à minha volta. Infelizmente estou naquela idade em que os meus amigos já carregam consigo espécimes desta natureza.   Ao ser forçada a socializar com eles fui aprendendo algum do seu swag (tenho a certeza de que este termo não se aplica aqui mas quis ser cool e tornar esta crónica mais age friendly). Num desses encontros apercebi-me de como gerem as suas relações amorosas: já não namoram, não “andam”, nem tampouco caminham – agora continuam a fazer o que todas as gerações atrás de si fizeram com a diferença de que “não têm nada” embora sejam exclusivos. Isto faz-me lembrar as considerações…