• Opinião

    “Fome”, “Mistérios” e “Pan” de Knut Hamsun

    Se procurarem o livro “Fome” na Wook, irão encontrar esta opinião: “Primorosamente escrito, compulsivamente lido, este livro que nos coloca na cabeça de um jovem maníaco-depressivo que se impõe a períodos de fome, não deixa ninguém visceralmente indiferente. Percebe-se o talento tremendo de Hamsun. Mas também se acompanha um jovem elitista e snob, escrito pela pena de um confesso xenófobo, adorador de Hitler, e nunca arrependido. Não consigo, mesmo Três estrelas pelo mérito literário. Muito gostaria de as retirar.”   Ter Knut Hamsun, laureado com o Nobel da Literatura em 1920, nas nossas estantes, listas de leitura ou lista de “nunca na vida” pode não ser uma decisão determinada pela…

  • Lusófonos,  Opinião

    “Ensaio sobre a Cegueira” de José Saramago

      O meu primeiro contacto com José Saramago foi com O Conto da Ilha Desconhecida, que o escritor lançou pela altura da Expo 98. Há 22 anos eu tinha 15, e, na escola secundária, O Memorial do Convento não foi uma leitura obrigatória. Não consegui ler; a linguagem (e o peso que colocavam sobre ela quando ouvia falar de Saramgo) criaram uma barreira que me foi impossível de transpor aos 15 anos e que, nunca mais tornei a tentar – sinceramente, foi autor que julguei nunca ler, ou ler apenas um livro só para não deixar em branco um item de uma lista de livros obrigatórios. E quando pensava em…