Clássicos e Ícones

https://mileduaspaginas.org/desafios/desafioclassicoseicones/

  • Clássicos e Ícones,  Opinião

    “O Outono em Pequim” de Boris Vian

    Houve esta: “Folubert Sansonner deteve-se, comovido, diante da porta de Léobille e mergulhou o indicador da mão direita no buraquinho da campainha, agachada no fundo pois estava a dormir. O gesto de Folubert acordou-a em sobressalto. Virou-se e mordeu cruelmente o dedo de Folubert, que desatou a ganir em tom agudo. (…) Este empunhava uma pistola fumegante, com a qual acabara de matar a campainha. (…) _ Matei este bicharoco infame – disse ele. – Trate você da carcaça. _ Mas… – disse a irmã de Léobille. Depois desfez-se em lágrimas, pois a campainha já estava com eles há tanto tempo que fazia parte da família.”   Mas foi principalmente…

  • Clássicos e Ícones,  Made In English,  Opinião

    “Flowers for Algernon” de Daniel Keyes

    Não há muitos livros que eu aconselhe, sem receio, toda a gente a ler. Mas “Flowers For Algernon” é um deles sem dúvida alguma. Além de ser um livro magistralmente bem escrito, na minha opinião é impossível sair-se dele ileso. Algernon é um rato de laboratório que é submetido a uma cirurgia ao cérebro para aumentar o seu QI – na realidade depois de várias experiências noutros animais, é o primeiro no qual a cirurgia resulta. Charlie é um deficiente mental com um QI de 68 e o primeiro ser humano a ser submetido à mesma experiência depois dos resultados de sucesso obtidos com Algernon. Charlie é o escolhido porque,…

  • Clássicos e Ícones,  Sugestões de Leitura

    Albert Camus

    Albert Camus nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913. Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século XX Interessei-me a sério por Albert Camus com “O Estrangeiro”, o primeiro livro que li dele, num momento específico (se ainda não leram a obra e querem ler, aconselho que passem à frente porque a frase denuncia parte do texto que só se conhece a meio do livro),  “No…